Prefeitura de Diadema

8 de fevereiro de 2024

Entrega dos kits de material escolar, formações para gestores escolares, agentes de apoio e agentes de cozinha fazem parte da preparação para receber crianças e adolescentes nas escolas

A partir desta quinta-feira, 8 de fevereiro, mais de 30 mil estudantes voltam a ocupar as salas das 95 unidades escolares de Diadema. O retorno às aulas marca a vida de crianças, pais e todos os envolvidos com educação. Para que tudo corra bem durante o ano, muito trabalho foi desenvolvido em diversas áreas. Formação para gestores escolares, agentes de apoio e agentes de cozinha. Encontro no Teatro Clara Nunes para profissionais das escolas conveniadas refletirem sobre suas práticas. “Leitura de Mundo”, professores caminham pelos bairros para conhecer e aprimorar as práticas pedagógicas com base na realidade local. E os kits de materiais escolares, que foram entregues na reunião de pais (cadernos, lápis, tesoura, cola, régua e tantos outros materiais novinhos), já estão em uso nas salas de aulas da cidade.

Sem falar que as escolas foram beneficiadas pelo Escola Bem Cuidada, programa que desde 2021 repassa verba para que sejam executadas reformas necessárias no ambiente escolar. “Estamos preparadas para receber nossas crianças neste novo ano letivo. Nossas escolas estão mais bonitas. Nosso corpo técnico bem preparado. E as crianças fazendo parte de um grande movimento de educação emancipadora em busca do protagonismo infantil”, explica a Secretária de Educação de Diadema, Ana Lucia Sanches.

Para o Diretor da EMEB Cândido Portinari, no Casa Grande, Luciano Augusto Rocha, a primeira conversa do ano deve ser feita com os familiares. “Precisamos do apoio deles” explica o gestor. “Ontem nós conversamos com os pais e mães e explicamos que o maior tesouro deles é a criança. E que nós estamos aqui à disposição para fazer o melhor por elas”. Segundo o diretor, essa conversa traz a tranquilidade necessária para as famílias. “Com certeza, eles se preocupam mais do que as crianças no primeiro dia de aula. Depois, percebem que as crianças estão bem e relaxam”.

Marines Dumont Domingues Silva, diretora da EMEB Terezinha Ferreira dos Santos, também no Casa Grande, realça outro aspecto da relação entre escola, comunidade e criança. “Nosso dever é acolher as crianças e as famílias da melhor forma possível. Ao trazer as crianças para dentro da escola, trazemos a comunidade toda. Nós trabalhamos com a melhor qualidade possível para que nossas crianças tenham uma infância feliz”.

Por outro lado, o grau de confiança das famílias pode ser percebido nos depoimentos no momento em que elas deixam as crianças no ambiente escolar. “Minha filha tem 3 anos. Espero que ela evolua e se desapegue um pouquinho de mim. Fique independente”. E a mãe é certeira em relação à qualidade. “Eu confio no trabalho da escola porque a equipe é muito boa. Meu outro filho estudou aqui há dez anos, então sei disso”, conta Fernanda Santos ao deixar a filha na EMEB Terezinha.

Maria Renata Francisco Batista relata a importância de dividir com a escola os cuidados com o filho autista. “Eu fico preocupada e insegura, mas a professora me passou bastante confiança. Só de deixar meu filho, e ele não chorar, para mim é um sonho. Das outras vezes, ele ficava num desespero tão grande que me chocava”, relembra. “Agora eu tenho um sinal que ele gostou do ambiente. Fez bem para ele. Para mim está tudo bem!”, diz emocionada ao sair da sala de aula da EMEB Cândido Portinari.

Do ponto de vista da estudante Ana Laura Souza, 4 anos, as expectativas para 2024 são as melhores:

  • Você gosta da escola Cândido Portinari?
    Ana Laura: – Sim!
    O que você espera fazer nela?
    Ana Laura: – Brincar, aprender a ler, aprender meu nome, aprender o nome da minha vó. Aprender bem.

O ano letivo está só começando, agora é realizar os sonhos das Anas, dos Josés, dos Benícios, das Silvanas e de tantos outros estudantes espalhados pela cidade.

Texto: Roberto Joaquim de Oliveira
Fotos: Dino Santos

Ir para o conteúdo