Prefeitura de Diadema

9 de fevereiro de 2024

Evento destaca a relevância do orixá por meio de discursos e de apresentações; atividade contou com 280 participantes

Nessa quarta-feira (07), Diadema realizou a 16ª edição do Águas de Iemanjá –“Senhora das águas, união da humanidade”. Evento contou com a participação de 280 pessoas e foi realizado pela Prefeitura, por meio da secretaria de Cultura, Museu de Arte Popular (MAP), Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, em parceria com Federação de Umbanda e Cultos Afro-Brasileiros de Diadema (Fucabrad) e Centro de Referência das Culturas dos Povos Tradicionais e Matrizes Africanas Pai Francelino de Shapanan.

Segundo a coordenadora da Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (CREPPIR), Márcia Damasceno, a comemoração foi planejada para educar a população sobre os ensinamentos de matriz africana. “Seja você evangélico, católico, umbandista ou candomblecista participando deste evento da Água de Iemanjá, aprendemos a respeitar nas diferenças culturais.”, alegou.

Da esquerda para direita – Cássio Ribeiro (Fucabrad), Patty Ferreira (Vice-prefeita), Camilo Vannuchi (Secretário de Cultura), Márcia Damasceno (Coordenadora da CREPPIR) e José Aparecido (Cultura)

A coordenadora ainda explicou que Iemanjá representa mais que uma entidade religiosa: é a simbologia do Brasil e da vida. “Ela ensina que temos que proteger o nosso povo, a nossa cultura diversa e as riquezas que a natureza nos oferece”, afirma Márcia. “As águas brasileiras são sagradas e não podemos perdê-la. É um elemento essencial à nossa vida”, completou Damasceno.

A vice-prefeita Patty Ferreira apontou a importância de cultuar Iemanjá independentemente da religião. “Celebrar esse orixá está além da religiosidade. Faz parte da nossa cultura, da nossa ancestralidade e da nossa história para que a população cresça sem preconceitos.”

O secretário de Cultura, Camilo Vannuchi, mostrou empolgação para continuar realizando outras edições dessa celebração. “Essa festa me inspirou e me deixou curioso para continuar trazendo essa energia pulsante que todos aqui emanaram”.

Mais informações sobre a programação em https://portal.diadema.sp.gov.br/16a-aguas-de-iemanja-celebra-cultura-afrodescendente/.

EXPOSIÇÕES

Espaço Cândido Portinari
Visitação até: 1 de março de 2024

Exposição: Yemanjá, Mar de União
William Teodoro e Amra
William Teodoro e Amra se uniram para nos brindar com uma envolvente exposição em homenagem a Iemanjá, símbolo incontestável de união para a humanidade. A exposição conta com obras produzidas em conjunto e peças individuais especialmente produzidas a 16ª Festa de Águas de Iemanjá.

William Teodoro é Artista Visual, Arte Educador e Multiartista. Formado em Artes Visuais e design de interiores é representante de Artes Cênicas no Conselheiro de Cultura de Diadema e integrante de movimentos de promoção da igualdade racial.

Amra é multiartista preto e periférico da região de Diadema, busca entender e expressar formas humanas no seu cotidiano inconsciente da realidade, materializando sua arte no muralismo, escultura, pintura em tela e pirografia.

MAP – Museu de Arte Popular
Visitação
até: 1 de março de 2024
Exposição: Yemanjá, Obras do Acervo
Por meio de pinturas e objetos tridimensionais do acervo do MAP que representam Iemanjá e orixás que a cercam, a exposição é um tributo à Senhora das Águas, uma celebração da união que ela representa entre a humanidade e os elementos primordiais.

24 de fevereiro, a partir das 14 horas
Centro de Referência das Culturas dos Povos Tradicionais e Matrizes Africanas Pai Francelino de Shapanan
Rua Marcos Azevedo, 240 – Vila Nogueira

Acolhimento
Exposição: Orixás e o Sagrado
Geni Santos

Na exposição ‘Orixás e o Sagrado’ Geni Santos explora o sincretismo nascido durante a escravidão, onde cada orixá se entrelaça com um santo católico. Sob a imposição do catolicismo aos negros, essa roupagem tornou-se a estratégia para preservar a vitalidade de seus deuses originais, revelando a complexidade e resistência espiritual dessas tradições.

A artista se destaca por suas expressivas esculturas de orixás. Sua arte não apenas reflete sobre as religiões de matriz africana, explorando a riqueza visual das manifestações religiosas e o sincretismo como elementos essenciais de sobrevivência, mas também nos convida à reflexão sobre as mudanças e preservação dessas expressões culturais.

Visitação até 30 de abril de 2024
Explanação e Louvação a Iemanjá na Nação Queto
Ilê Axé Nochê Abê Manjá Orubarana
Bàbálorisá Nelson de Ty Yemanjá

Carimbó

Grupo Cavaleiros de Doçu, Direção Cecília Mani

O Grupo Cavaleiros de Doçu, sob a direção de Cecilia Mani, apresentará o Carimbó, um ritmo de dança indígena que se miscigenou ao receber influências, principalmente da cultura negra, e que ressurge nas últimas décadas como música regional e associada às festividades religiosas.

Texto: José Vitor Gomes

Fotos: Maria Luisa Souza

Ir para o conteúdo